segunda-feira, 25 de junho de 2012

Openbox como gerenciador de janelas no gnome 3

Se você usar o Gnome 3 com sua interface clássica, o gerenciador de janelas será o metacity. Você pode trocá-lo por um mais simples, tornando o sistema mais leve.

Por exemplo, o openbox. Não era novidade no Gnome 2 e, na versão 3, experimentei e deu certo.

Então vamos lá. Instale o openbox e o obconf de acordo com o procedimento padrão para sua distro. Nas distros baseadas no Debian:

UBUNTU e derivadas
$ sudo apt-get install openbox obconf

Debian e derivadas
$ su + senha de root + [enter]
# apt-get install openbox obconf

Abra um terminal e vá até o arquivo .config/autostart:

$ cd ~/.config/autostart

Vamos criar um arquivo para iniciar o openbox automaticamente no boot:

$ nano openbox.desktop

Ponha o conteúdo abaixo:

[Desktop Entry]
Type=Application
Exec=openbox --replace
Hidden=false
NoDisplay=false
X-GNOME-Autostart-enabled=true


Você obtém o mesmo efeito utilizando o "aplicativos de sessão":


Salve as configurações nos dois casos e a seguir reinicie sua interface gráfica. Veja o resultado:





A decoração da janela aparece diferente, indicando que o openbox é novo gestor. Configure-o com o obconf, já que as ferramentas do Gnome 3 não atuarão sobre ele.


Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Nano: editor de texto completo para terminal linux

Durante muitos anos o editor de texto "Vi" (lê-se "viai") dominou o mundo linux. Com trocentos recursos e capacidades infinitas, era o xodó de 11 em cada 10 usuários. 

Só que ninguém dizia, ou não tinha coragem de fazê-lo, que era muito complexo e, ao menos na minha modesta opinião, chato, muito chato de usar.

Mas esse quadro mudou, meio sem querer, quando apareceu o cliente de e-mail pine. Funcionava em modo texto (!) e fazia tudo o que os atuais fazem num tempo que banda larga era um sonho...

cliente de e-mail pine


E ele tinha um editor de texto integrado chamado "pico":

editor de texto pico


Era tão simples e bom no que se propunha - editar textos (!) -  que logo foi "forkado" (criado um fork, uma derivação) por Chris Allagretta, já que o pico não era regido pela GPL:


editor de texto nano


Neste tempos bicudos de patentes de softwares para cá, patentes de softwares pra lá, nosso(a) querido(a) Chris pensaria duas vezes antes de fazer um software "cuspido e escarrado" ao pico. 

Mas o que passou, passou, e o nano está aí para o que der e vier. Seu uso é extremamente simples. Basta dar uma olhadela no rodapé do programa, para ver quais teclas fazem o quê nele:



Onde (exemplo):
  • ^C: Ctrl + C-> limpar
  • ^X: Ctrl + X -> sair
  • ^O: Ctrl + O -> gravar

Ele está presente nas distros atuais ou nos repositórios. Para instalá-lo use o procedimento padrão para sua distro. Não tem erro nem dependências!

Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Acelere a instalação de pacotes com o apt-get

Segue a dica que uso para acelerar a instalação de pacotes pelo apt-get, incluso as interfaces synaptic e  aptitude.

Não é nada demais, apenas desinstale as páginas manuais.

Todo pacote instala as famosas manpages, quase sempre em inglês e que ninguém lê ou, se lê, não entende nada... Então para que perder tempo com elas?

Quando quero informações sobre um determinado pacote que desconheço, ou aprender sobre uma funcionalidade nova, simplesmente consulto a internet ou procuro um site especializado.  O resultado é muito melhor.

Abaixo mostro os pacotes que desinstalo no Ubuntu e derivadas, e que não causam nenhum dano no sistema:

$ sudo apt-get remove --purge man-db manpages yelp doc-base info install-info

No caso do Debian, veja se a distro aceita remover todos os listados, já que a construção das dependências entre pacotes difere ligeiramente da do Ubuntu e família.

Se você usa o apt-get em distros baseadas em pacotes rpm, pode testar para ver se funciona (obviamente, por sua conta e risco).

Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Telefone doméstico sem fio interferindo no roteador wifi

Pode ser que você tenha um telefone sem fio doméstico, como este aí de baixo (mero exemplo ilustrativo), cuja transmissão ocorra na faixa dos 2.4 GHz, ou seja,


a mesma dos roteadores:


e você já viu no que vai dar. Toda vez que o bicho toca, sua conexão cai, sem exceção. É um probleminha chato de resolver, devido aos fatores que interferem: filtros, fios, distância entre equipamentos etc.

Mas no meu caso foi o canal de transmissão do roteador. Escolhi um bem perto da escala inferior. E a solução também foi muito fácil, mudei-o como mostro abaixo:


Opte por um canal mediano, entre 6 e 9, e teste a conexão com uma chamada pelo telefone. Se não há muitas redes wifi por perto, o trabalho não é tão problemático quanto o congestionamento de sinal.

Outra excelente idéia é dar uma boa lida no manual de instruções do telefone e ver em qual frequência ele opera.

Até a próxima dica!
;-))