sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Precisa de um browser leve? Experimente o epiphany.

Existem remasterizações linux que oferecem um browser "leve" para computadores com pouco poder de processamento. Por exemplo, o dillo:


Ele é tão leve, 450 kb, que não consegue mostrar uma página de forma correta, quanto mais complexa ela for:


Ou:


Então tanta "leveza" não compensa, se o resultado obtido não serve ao propósito de navegar na internet de forma idêntica a que se faz com os navegadores mais pesados. É aqui que apresento uma alternativa intermediária e eficiente, o epiphany.

O renderizador do layout é o webkit, o mesmo do safari e google chrome. A licença é GPL e utiliza a toolkit GTK, comuns ao gnome, cinnamon, xfce, lxde, por exemplo.

Apresenta navegação por abas, gerenciamento de cookies, bloqueador de pop-ups e extensões, que acrescentam novas funcionalidades ao programa.

Como é um navegador compatível com o "guia da interface humana do gnome", não possui configurações de tema próprios, utilizando as configurações especificas daquela interface gráfica, mesmo nas que usam partes dela, como xfce e lxde.

Aqui uma foto dele no lubuntu, como tema "ozone":


Veja que visual limpo. Nada de firulas. Para usá-lo, instale-o segundo segundo o procedimento padrão de sua distro, o que não veremos aqui. Mas no Ubuntu, Debian e derivadas, faça como mostro abaixo:

UBUNTU E DERIVADAS
$ sudo apt-get install epiphany-browser browser-plugin-freshplayer-libpdf /
   browser-plugin-freshplayer-nacl browser-plugin-freshplayer-pepperflash /
   icedtea-plugin

DEBIAN E DERIVADAS
$ su - [ENTER]
# sudo apt-get install epiphany-browser browser-plugin-freshplayer-libpdf /
   browser-plugin-freshplayer-nacl browser-plugin-freshplayer-pepperflash /
   icedtea-plugin
# exit

Após este procedimento, você terá não somente o navegador, como os plugins necessários, incluindo flash e java. E funciona maravilhosamente bem. Veja os mesmos sites que mostramos com o dillo:



Indo no menu "Configurações" você personaliza seu navegador a seu gosto.

Até a próxima dica!
;-))

domingo, 26 de novembro de 2017

Como apagar uma mídia de dvd-rw no ubuntu e derivadas

Para quem precisar apagar um dvd-rw gravado, no Ubuntu e derivadas, abaixo está o comando que funcionou comigo. Pode haver outras soluções, mas a que me ajudou foi esta. 

Então botemos mãos à obra. Para começar, instale o programa wodim:

$ sudo apt-get install wodim 

Terminado este passo, insira o dvd-rw no leitor e espere que seja reconhecido e montado automaticamente, quando abre o gerenciador de arquivos de seu ambiente gráfico:


Abra um terminal e desmonte a leitura do dvd-rw:

$ umount /dev/cdrom 

Agora faremos uma "limpeza" rápida, suficiente para reutilizá-lo:

$ wodim dev=/dev/cdrom blank=fast 

Para uma "limpeza" profunda, utilize esse comando:

$ wodim dev=/dev/cdrom blank=all 

Pronto, caso passe pelo mesmo problema, poderá resolvê-lo de forma fácil e rápida.

Até a próxima dica!
;-))

sábado, 4 de novembro de 2017

Teste a "qualidade" das senhas no linux

Todos sabem que uma senha forte é chave para barrar um acesso não autorizado ao seu isfenicídio. Hoje explico como testar a "qualidade" de uma senha no linux. Para isso instale o pacote cracklib-runtime no Ubuntu, Debian e derivadas.

Ubuntu e derivadas
$ sudo apt-get install cracklib-runtime 

Debian e derivadas
$ su - [ENTER]
# apt-get install cracklib-runtime
# exit

Nas outras distros, procure o pacote que contenha o executável cracklib-check e instale-o segundo o procedimento padrão para elas, o que não será visto aqui. Cumprido essa parte, passemos ao teste propriamente dito.

Abra um terminal e rode o comando abaixo, com a senha que deseja utilizar. Veja vários exemplos:

$ echo "1" | cracklib-check 
1: é MUITO curta

$ echo "1A" | cracklib-check 
1A: é MUITO curta

$ echo "1ABCD" | cracklib-check 
1ABCD: é muito curta

$ echo "1ABCDEFG" | cracklib-check 
1ABCDEFG: é muito simples/sistemática

$ echo "1ABCDEfGFEDCbA1" | cracklib-check 
1ABCDEFGfEDCbA1: é muito simples/sistemática

$ echo "%Rçoi9*cxz33@!" | cracklib-check 
%Rçoi9*cxz33@!: OK

Aqui está uma ótima oportunidade para ensinar aos novatos a importância de uma senha com um mínimo de 8 (oito) caracteres, mistos, em várias combinações.

Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Desktop no Debian mostra "fontes quadradas"

Se o Debian mostrar "fontes quadradas" no seu desktop , como na foto abaixo, é fácil consertar:


Abra o terminal e rode os comandos abaixo, na ordem, utilizando seu Editor de Textos Preferido:

$ su - [ENTER] 
$ ETP /etc/environment 

Agora adicione as linhas abaixo:

LANG="pt_BR.UTF-8"
LANGUAGE="pt_BR.UTF-8"

Salve e saia e rode os comandos a seguir, como usuário normal:

$ ETP .config/user-dirs.locale 

A ponha a seguinte linha, salvando a seguir:

pt_BR

Agora escolha a codificação padrão para as fontes:

$ su - [ENTER] 
$ dpkg-reconfigure locales 

Desmarque todas as opções, exceto pt_BR.UTF-8:


Salve a alteração realizada:


Realizadas essas tarefas, reinicie a interface gráfica. Veja o resultado:


Até a próxima dica!
;-))

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Deletando metadados de arquivos pdf no terminal linux

Na dica de hoje explico como remover metadados de arquivos pdf, pelo terminal linux. É rápido, fácil e sem burocracias. Para isso, instale o programa exiftool segundo o procedimento padrão para sua distro, o que não será visto aqui.

Vá até a pasta onde está o arquivo desejado, abra um terminal e rode o comando:

$ exiftool -all:all= arquivo.pdf 
Warning: [minor] ExifTool PDF edits are reversible. Deleted tags may be recovered!
- arquivo.pdf
1 image files updated

Na pasta onde está o arquivo.pdf, aparecerão arquivo.pdf_original e aquele, sendo que o segundo é o dito cujo, o nome diz. Abra-o num leitor de pdf e veja as alterações:


Até a próxima dica!
;-))

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Bloqueando sites maliciosos no linux

Na dica de hoje mostro como bloquear site maliciosos no linux, de forma simples e rápida, melhorando a segurança de seu isfenicídio. Para isso, u saremos o arquivos /etc/hosts, adicionando os endereços suspeitos.

Ei-lo:


Em primeiro lugar baixaremos uma lista com os sites maliciosos, que você encontra aqui:


Depois do download (150 kb), vá na pasta onde ele está e descompacte-o com o botão direito do mouse:


Renomeie o arquivo HOSTS para hosts (minúsculo):



Abra o arquivo hosts com seu Editor de Texto Preferido e deixe somente a linha "127.0.0.1 localhost" sozinha, como no exemplo. Abaixo dela fica o IP para ipv6 ou outro que você configurar a seu gosto, para outros serviços:



Abra um terminal onde está o arquivo hosts e rode os comandos abaixo, na ordem:


$ sudo mv /etc/hosts /etc/hosts_original 
$ sudo chown root.root hosts 
$ sudo mv hosts /etc 

Pronto! É só isso. Não acontecerá absolutamente nada: nenhum alarme, luzinha piscando... Se acontecer de abrir uma das páginas no navegador, aparecerá um alerta como esse:


Até a próxima dica!
;-)

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Configurar teclado do Brasil no Deepin linux

Na dica de hoje explico como configurar o teclado do Deepin para o português do Brasil, sendo usada a última versão desta distro. Para tal, tenha-o instalado, o que não será visto aqui.

Esse é um problema chato. A distro não configura o teclado automaticamente, mantendo o padrão americano. Mas é fácil arrumar. Clique no botão que mostro abaixo, a "central de controle":


Aparecerá o menu lateral:


Clique no botão do teclado:


Clique no "Idioma do teclado":


Clique em "Adicionar layout do teclado":


Escolha o layout do Brasil:


Novamente em "idioma do teclado", selecione  o do Brasil:


Você pode deletar o teclado americano ou deixá-lo. O do Brasil é que valerá:


Pronto! Feche o menu lateral e aproveite o teclado corretamente configurado.

Até a próxima dica!
;-))

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Corringo o bug "ERROR: Database load killed by signal 6" no linux

Esse bug associa-se com a instalação do clamav, antivírus opensource para linux. Não mostrarei aqui como se instala este aplicativo, o que ficará por sua conta, segundo o procedimento padrão para sua distro.

O erro acima ocorre quando o clamav faz download das bibliotecas de assinaturas de vírus main.cvd, daily.cvd e bytecode.cvd, aparecendo o seguinte erro:

$ sudo systemctl status clamav-freshclam 

freshclam[700]: main.cvd is up to date (...etc..., builder: sigmgr)
freshclam[700]: daily.cvd is up to date (...etc..., builder: neo)
freshclam[700]: Downloading bytecode.cvd [100%]
freshclam[700]: ERROR: During database load : freshclam: /build/llvm-toolchain-etc...

Veja que o erro ocorre no download do bytecode.cvd, mas a solução é muito fácil. Basta ir no site do clamav, baixar as bibliotecas e movê-las para o arquivo /var/lib/clamav:



Vá no diretório onde as baixou e rode os comandos abaixo:

$ sudo chown root.root main.cvd daily.cvd bytecode.cvd 
$ sudo chmod 644 main.cvd daily.cvd bytecode.cvd 
$
sudo mv main.cvd daily.cvd bytecode.cvd /var/lib/clamav 

Vejamos se o erro sumiu:

$ sudo systemctl restart clamav-freshclam 
$ sudo systemctl status clamav-freshclam 

freshclam[4629]: main.cvd is up to date (...etc... builder: sigmgr)
freshclam[4629]: daily.cvd is up to date (...etc... builder: neo)
freshclam[4629]: bytecode.cvd is up to date (...etc... builder: neo)

Regularmente rode o "systemctl status clamav-freshclam" para ver se o erro se repetirá. Caso positivo, baixe as bibliotecas manualmente até que o bug seja corrigido.

Até a próxima dica!
;-))

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Aumentando o tamanho dos ícones no nautilus, nemo e derivados

Na dica de hoje explico como aumentar o tamanho dos ícones nos gerenciadores de arquivos nautilus, nemo e derivados, atendendo a necessidades específicas dos usuários.

Eis o tamanho normal no cinnamon (exemplo):


Você pode usar o botão no canto inferior direito para obter o mesmo efeito, sendo que as alterações não são universais, ou seja, terá de fazê-lo em cada pasta separadamente:


Para resolver o problema simultaneamente, em todos os arquivos, iremos utilizar o dconf-editor, que deve ser instalado segundo o procedimento padrão para sua distro, o que não será visto aqui. Chame o aplicativo no terminal, como usuário normal:

$ dconf-editor 

Ei-lo:


Navegue com o mouse pelo endereço org -> nautilus -> icon-view -> default-zoom-level ou então no org -> nemo -> icon-view -> default-zoom-level, ou ainda no mesmo endereço com o nome do gerenciador de arquivos derivado do nautilus ou nemo:


Desative o botão "Usar o valor padrão" e escolha um dos tamanhos disponíveis em "Valor personalizado". Salve as alterações e reinicie s interface gráfica. Todos os ícones passam a ter um novo tamanho padrão:


Até a próxima dica!
;-))

domingo, 1 de outubro de 2017

Clamav não atualiza no Ubuntu 16.04 e superiores

Devido a instalação do apparmor no Ubuntu 16.04 e superiores, podendo incluir as distros derivadas, um refinado controle de acesso mandatório (Mandatory Access Control) para linux, alguns serviços ficam bloqueados no modo "enforce".

E justamente um deles é o freshclam, responsável pela atualização da biblioteca de vírus em segundo plano. Como resultado, o clamav fica impedido de fazer os downloads necessários, para proteger sua máquina.

E o erro é esse:

Update failed. Your network may be down or none of the mirrors listed in
/etc/freshclam.conf  is working.
Check http://www.clamav.net/doc/mirrors-faq.html for possible reasons.

Para conferi-lo, basta rodar no terminal:

$ sudo systemctl status clamav-freshclam 

Mas esse problema é facilmente resolvível. Basta rodar os comandos abaixo, na ordem:

$ sudo apt-get install apparmor-utils apparmor-profiles apparmor-profiles-extra \ 
   apparmor-utils apparmor-easyprof apparmor-easyprof-ubuntu 

$ sudo aa-status 
$ sudo aa-complain /usr/bin/freshclam 
$ sudo systemctl restat clamav-freshclam 

Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Ativando o menu do lxde com a tecla do windows

Na dica de hoje mostro como ativar o menu do lxde com a tecla windows, que geralmente não tem função numa distro windows. Olhe a tecla windows aí em baixo:


No Lubuntu usa-se a combinação Alt+F1 para ativar o menu. Vamos fazer uma mudança para usar a winkey, com o código Super_L. Vamos lá: abra o terminal e rode o comando, onde "ETP" é o seu Editor de Texto Preferido:

$ ETP ~/.config/openbox/lubuntu-rc.xml 

Procure as linhas abaixo, na oposição em torno da linha 360, atentando-se para a em vermelho:

ANTES:
</keybind>
    <!-- Keybindings for running Menu from Lxpanel -->
    <keybind key="A-F1">
      <action name="Execute">
        <command>lxpanelctl menu</command>
      </action>
</keybind>

DEPOIS:
</keybind>
    <!-- Keybindings for running Menu from Lxpanel -->
    <keybind key="Super_L">
      <action name="Execute">
        <command>lxpanelctl menu</command>
      </action>
</keybind>

Agora rode no terminal, em uma só linha:

$ gconftool-2 --set /apps/metacity/global_keybindings/panel_main_menu \ 
   --type string "Super_L" 

Feito isso, basta reiniciar a interface gráfica que a winkey iniciará o menu iniciar do lxde. Para fechá-lo, use o ESC.

Até a próxima dica!
;-)

domingo, 10 de setembro de 2017

Instalando o linux no notebook positivo XCi-3650

Na dica de hoje explico como instalar ou trocar de distro linux no Notebook Positivo XCi-3650. Para quem não o conhece, ei-lo:


Ele não é nenhuma maravilha, mas da conta do recado para usuários "normais", que navegam na internet, vêem filmes e otras cositas más nada exigentes. Suas especificações são:

* processador celeron dual core Braswell N 3010 com 2MB cache
* placa de vídeo integrada intel HD Graphics 400
* som, auto-falantes e microfone integrados como em qualquer notebook
* tela de 14"
* bluetooth
* rede cabeada e wifi
* entradas HDMI e USB
* não possui drive de dvd
* na versão linux: vem com o openmandriva 2014
* suporta virtualização por hardware

A Positivo fez um bom trabalho, podendo gerar um pendrive de recuperação, onde se reinstala o linux se o usuário fizer alguma craca, que ajuda muito. Como não tenho experiência com este pinguim, não farei nenhum comentário sobre ele.

Na dica de hoje mostrarei como gerar um pendrive botável, que seja reconhecido pelo XCi-3650 e possa instalar outro linux, se desejar. Não sei se você perderá a garantia de fábrica. Portanto, faça-o por sua conta e risco!

Esclareço que usaremos uma imagem iso, que será de 64 bits e com suporte a UEFI. Sem isso, você não conseguirá instalar o pinguim no positivo XCi-3650.

Este NoBo não permite que se mude o modo EFI para legacy. Então geraremos um pendrive compatível com o primeiro, usando linux. Se desejar fazê-lo no windows, tem o aplicativo rufus, e tutoriais abundam na internet. Basta procurar.

Então vamos lá. Abra um terminal e rode o comando como root:

# blkid 

Veja um exemplo:


Veja que o HD sda tem várias partições formatadas em ext4. Isso não tem nada demais. Agora espete um pendrive na ports USB, espere 30 segundos e rode o comando supra novamente:

# blkid 

Veja como aparece o pendrive:


O pendrive foi detectado como sdb1, partição formatada em fat32. Usaremos esta informação para criar o pendrive em EFI. E o primeiro passo será limpar o mesmo, para evitar erros mais a frente. Então rode o comando, como root:

# dd if=/dev/zero of=/dev/sdb bs=2048 count=32 

Observe que usamos /dev/sdb, em vez de /dev/sdb1, pois queremos "limpar" todo o pendrive. Terminado este processo, instale o programa gparted segundo o padrão para sua distro, o que não será visto aqui.

Com o pendrive conectado na USB, abra o gparted como root, e selecione o dispositivo /dev/sdb:


Veja que o aplicativo mostra que o pendrive tem partição "não alocada", já que a mesma foi limpa anteriormente:


Agora preparemos o dispositivo para receber o sistema operacional. Vá em "Dispositivo -> criar tabela de partição -> selecionar "msdos":

                          
Vá em "Partição -> novo" e escolha fat32 em "Sistema de Arquivos". E em "Rótulo", acrescente "PENDRIVE":


Confira se fez tudo certo e salve as alterações, clicando no botão específico:


Agora retire o pendrive da porta USB, espere 30 segundos e reconecte-o. Feito isso, abra novamente o gparted como root, selecionando o dispositio /dev/sdb.

Preste muita atenção no próximo passo. Você deve clicar na partição vfat com o "botão direito do mouse -> gerenciar sinalizadores" e escolher "boot" e "lba":


Fecha a janela que os sinalizadores serão adicionados automaticamente:


Saia do gparted e monte o pendrive, para que possa ser gravado. Para montá-lo, basta clicar no ícone que está no desktop e acessá-lo:


Agora gravaremos a imagem iso de seu linux, no pendrive. Para isso instale o pacote p7zp-full segundo o padrão para sua distro, o que não será visto aqui.

Feito isso, abra um terminal onde está a iso e rode o comando abaixo, como usuário normal. Respeite todos os espaços sem alterar nada. Faça igual a que está abaixo:

$ 7z x sua-imagem-iso.iso -o/media/$USER/PENDRIVE/ 

Espere a gravação, que pode demorar dependendo de seu computador:


Terminado o processo, você pode abrir o pendrive e ver sua iso descompactada no mesmo, pronta para uso. Veja:


Se você chegou até aqui, está tudo pronto para iniciar seu linux pelo pendrive e fazer a instalação, o que não será visto aqui também, pois não é o objetivo deste trabalho.

Mantenha o pendrive conectado, reinicie seu sistema operacional e entre na bios do notebook, pressionando a tecla [DELETE]. Vá na aba "Boot -> FIXED ORDER BOOT Priorities -> Boot Option #1" e selecione "USB KEI: UEFI: Gener...]":



Salve as alterações com F4 e parta para a instalação propriamente dita. Terminada, entre novamente na BIOS e coloque o boot #1 para o HD. Agora é só desfrutar do pinguim no XCi-3650.

Até a próxima dica!
;-))