terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Queimando imagem *.iso pelo terminal linux

Dica antiga e simples, útil a qualquer hora, para gravar uma imagem *.iso num cd/dvd, pelo terminal. Prefira este, sempre que possível, pois a tarefa é muito mais rápida e consome menos recursos do computador, principalmente dos mais simples.

Mostraremos dois métodos funcionais, que necessitam dos programas wodim e growisofs, instalados segundo o procedimento padrão para sua distro, o que não veremos aqui. Os programas são independentes e funcionam separadamente.

A primeira coisa a fazer é descobrir como seu drive de cd/dvd foi reconhecido no linux, sempre como /dev/srX (X=0,1,2...), de acordo com o número deles em seu computador. Caso haja um apenas, é reconhecido como /dev/sr0; com dois, /dev/sr0 e /dev/sr1 etc.

Abra um terminal e rode o comando abaixo:

$ ls -la /dev/sr*
brw-rw----+ 1 root cdrom 11, 0 Nov 29 21:02 /dev/sr0

Agora você pode faz no mesmo terminal (admitindo que o drive seja sr0):

$ wodim -eject -tao speed=2 dev=/dev/sr0 -v -data minha_iso.iso

ou

$ growisofs -dvd-compat -Z /dev/sr0=minha_iso.iso

Caso sua distro não permita gravação como usuário comum, faça-o como root ou use o comando "sudo", se aquele estiver bloqueado, como no ubuntu:

$ su - [ENTER]
# wodim -eject -tao speed=2 dev=/dev/sr0 -v -data minha_iso.iso # exit
ou $ sudo wodim -eject -tao speed=2 dev=/dev/sr0 -v -data minha_iso.iso

Até a próxima dica! ;-)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Corrigindo o erro "Failed to load module "atk-bridge" no Debian e Ubuntu

Para corrigir o erro "Failed to load module "atk-bridge", no Debian, Ubuntu e derivadas, instale o pacote libatk-adaptor como mostro abaixo:

DEBIAN E DERIVADAS
$ su - [ENTER]
# apt-get install libatk-adaptor
# exit


UBUNTU E DERIVADAS
# sudo apt-get install libatk-adaptor

Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Evitem o uso de repositórios PPA no Ubuntu e derivadas

Repositórios PPA (Personal Package Archives) são aqueles que possuem um ou mais pacotes inexistentes nos repositórios oficiais do Ubuntu, seja numa versão mais nova, com recursos extras, por ser muito recente, ou outro motivo qualquer.

Tais programas ficam sob responsabilidade de seus "desenvolvedores", inclusive riscos potenciais à segurança, devido a bugs e falta de atualizações, como toda e qualquer incompatibilidade que se apresente durante a instalação e uso.

Lembre-se de que a Canonical não tem nenhum compromisso com os mesmos. E o que funciona hoje pode deixar de fazê-lo amanhã. Então, o uso é de sua responsabilidade, sem choros.

Sempre que um problema com PPA acontece, eu recomendo ao usuário deixá-lo de lado e usar a versão "oficial" do Ubuntu, principalmente se os recursos extras não são vitais para aquele. Ou se não pode aguardar uma correção.

Também é comum os casos de abandonware, ou seja, lança-se um pacote "X" pruma determinada versão e adeus. Ninguém se dedica a sua manutenção.

Veja abaixo um exemplo clássico de erro, durante a instalação. A quem se recorre? Nem sempre os usuários conseguem uma solução.


Não digo para não usar repositórios PPA. Digo para fazê-lo se houver real necessidade, sabendo dos riscos antecipadamente, sem possibilidade de choro se algo der errado.

Até a próxima dica!
;-))

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Instalando o grub corretamente a partir de um pendrive

Essa é uma dica simples, para solucionar um problema, que enfrentei, quando instalei o Kubuntu a partir de um pendrive. Nada demais, mas evitará aborrecimentos ao usuário iniciante.

Depois de instalar sua distro, a partir do pendrive, derivada do Debian ou Ubuntu, você deve escolher onde o grub será instalado. Quando usa-se um cdrom, a partição correta será em /dev/sda; se o HD for sata, /dev/sdb.

Mas usando-se um pendrive, o mesmo HD poderá estar identificado como /dev/sda ou /dev/sdb. Isto dependerá da distro e do método utilizado, como discutimos até aqui. A solução: basta ler a tela e procurar seu HD sata:


Veja que /dev/sda associa-se ao pendrive, identificado como "usb generic". Resta então a segunda opção, /dev/sdb. Basta escolhê-la e digitar [ENTER] para o grub ser corretamente instalado e configurado.

Até a próxima dica!
;-)

domingo, 15 de janeiro de 2017

O linux não navega na internet após desinstalar o resolvconf

Não me deterei aqui sobre o pacote resolvconf, mas se você o desinstalou e não consegue navegar na internet, veja que o arquivo /etc/resolv.conf permanece como um link que não leva nada a lugar nenhum. Veja:


Resolva desta forma, com seu editor de texto preferido (ETP):

UBUNTU E DERIVADAS
$ sudo rm -rf /etc/resolv.conf
$ sudo ETP /etc/resolv.conf

Adicione o conteúdo abaixo:

nameserver servidor_DNS_1
nameserver servidor_DNS_2

OUTRAS DISTROS
$ su - [ENTER]
# ETP /etc/resolv.conf
# exit

O conteúdo é o mesmo que mostrei acima. Escolha os servidores DNS mais adequados para você, o que não será visto aqui.

Até a próxima dica!
;-))

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Utilizando o mini teclado wifi no linux

Na dica de hoje mostro como utilizar o mini teclado wifi no linux, muito comuns para as smart tv, android tv, entre outros dispositivos. Veja:

E não é preciso nenhuma configuração especial. Basta carregar a bateria (aproximadamente 4 horas), plugar o receptor usb no computador, ligar o mini teclado e usar. O reconhecimento é automático e as teclas são auto-explicativas:


Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Corrigindo o erro "debconf: não foi possível iniciar com interface dialog"

Se você observa esse erro no terminal, quando instala um pacote com o apt-get, saiba que é muito fácil corrigi-lo. Basta instalar o pacote dialog, assim:

DEBIAN E DERIVADAS
$ su - [ENTER]
# apt-get install dialog
# exit

UBUNTU E DERIVADAS
$ sudo apt-get install dialog

Para distros baseadas em outros tipos de pacotes, como rpm, você deverá instalá-lo segundo o procedimento padrão para elas, o que não será visto aqui.

Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Configurando facilmente DNS cache local no linux

Na dica de hoje explico como configurar um cache local para consultas DNS no linux, de forma fácil e sem complicações. É focada no ubuntu e debian, e não precisa de nenhuma configuração complexa.

Ela também pode ser utilizada para qualquer distribuição linux, desde que você faça as adaptações necessárias, o que não será visto aqui. Vamos lá: abra um terminal e instale os programas abaixo com status de root:

DEBIAN
$ su -
# apt-get install resolvconf dnsutils pdnsd

UBUNTU
$ sudo apt-get install resolvconf dnsutils pdnsd

Durante a instalação do pdnsd, escolha as opções abaixo:



Abra o arquivo /etc/default/pdnsd e edite a linha abaixo:

ANTES
# do we start pdnsd ?
START_DAEMON=no
(etc...)

DEPOIS
# do we start pdnsd ?
START_DAEMON=yes
(etc...)

Abra o arquivo /etc/NetworkManager/NetworkManager.conf e edite a linha abaixo:

ANTES
[main]
plugins=ifupdown,keyfile,ofono
dns=dnsmasq
(etc...)

DEPOIS
[main]
plugins=ifupdown,keyfile,ofono
#dns=dnsmasq
(etc...)

Salve estas alterações. Agora, abra o gerenciador de redes com o botão direito do mouse -> editar conexões:



Escolha a(s) interface(s) de rede que você conectará mais comumente na internet e clique no botão editar -> aba Configurações ipv4:


Salve as alterações e reinicie seu computador. Quando fizer novo login, abra um terminal e rode o comando abaixo como usuário comum:

$ dig dicas-de-linux.blogspot.com

Numa primeira consulta ao servidor DNS padrão de sua conexão internet, veja o tempo gasto para obter uma resposta:


Observe agora a consulta posterior ao mesmo endereço:


Viu a diferença gritante, com o uso do cache local de DNS, provido pelo pdnsd? Porque o programa já "sabe" o endereço IP do nosso blog e não faz uma segunda consulta ao servidor DNS padrão da conexão internet.

Nas imagens acima, observe também que a consulta é realizada na interface "lo", 127.0.0.1, provando que se usa o pdnsd como cache DNS:


Para terminar, veja qual o endereço IP configurado no arquivo /etc/resolv.conf, onde os programas consultam os servidores DNS a serem consultados na busca pelos sites desejados:


Os passos destas dicas foram muito detalhados, para que entenda bem o processo. Mas, na realidade, ele é bem simples, como poderá comprovar quando aplicá-la.

Até a próxima dica!
;-))