sexta-feira, 30 de junho de 2017

Extraindo arquivos de pacotes *.deb no Ubuntu, Debian e derivadas

De vez em quando eu preciso "desmontar" um arquivo *.deb, para analizar seu conteúdo ou apenas utilizar um arquivo especifico. E isso é mais fácil do que instalá-lo, já que muitas vezes há "n" dependências que inviabilizam o processo.

Mostrarei aqui as 02 formas que já utilizei, terminal e interface gráfica. Você escolherá a que mais foi confortável para as suas necessidades. Vamos lá.

I) COMPACTADOR GRÁFICO

Neste grupo encontram-se o xarchiver, fille-roller, ark e qualquer outro menos famoso. Basta dar um clique sobre o pacote *.deb. Pode ser usado por qualquer distribuição, já que as dependências foram instaladas segundo o procedimento padrão para elas.

Navegue até a pasta com o pacote *.deb:


Clique sobre ele:


Você verá o conteúdo do mesmo:


Selecione o arquivo "data.tar.xz":


Navegue até encontrar o arquivo desejado:




Extraia o arquivo como botão direito do mouse:


Escolha onde o conteúdo será extraído:


II) TERMINAL

Usaremos dois comandos para obtermos o mesmo resultado que na interface gráfica. O primeiro será o "ar", encontrado no pacote binutils. Navegue até a pasta onde está o pacote *.deb. Neste exemplo, /home/your_login/xxx:


Abra um terminal e use o comando "ls" para listar o pacote:


Extraia o conteúdo com o comando:

$ ar  x  font*deb



Descomprima o pacote "data.tar.xz", que contém os arquivos do pacote:

$ tar -xf data.tar.xz


Apareceram os dois diretórios padrão, etc e usr. Basta procurar os arquivos desejados, usando seu navegador de arquivos:


Outro comando é o "dpkg-deb", integrante do pacote dpkg. Navegue até na pasta do pacote (/home/your_login/xxx), abra um terminal e liste seu conteúdo. Você já viu como se faz no comando anterior.

Extraia o conteúdo do pacote *.deb com o comando:

$ dpkg-deb -vx font*.deb $HOME/xxx

Observe que temos de indicar onde os arquivos serão descompatados. Neste exemplo, utilizamos o mesmo diretório onde está o *.deb.


Apareceram as mesmas pastas já nossas conhecidas, etc e usr:



Outro comando que também pode ser utilizado é o dpkg, de forma similar ao anterior. Tomando-se o último exemplo, o comando ficaria:

$ dpkg -x font*.deb $HOME/xxx

Até a próxima dica!
;-))

sábado, 24 de junho de 2017

Ativando multiprocessamento no firefox 54 e posteriores

O firefox 54 trás ou não o multiprocessamento habilitado por padrão. E na dica de hoje, explico como saber se aquele está ativado e, caso contrário, como fazê-lo. Para isso, utilizo o navegador do debian 9 stable.

Abra o navegador e digite na barra de endereços, "about:support". Observe a linha "janelas multiprocesso" e se o recurso está habilitado. Caso positivo, nada há que fazer. Basta utilizá-lo:


Caso contrário, habilite da seguinte forma: na barra de endereços, digite "about:config", concorde com o termo de uso e digite a chave "browser.tabs.remote.force-enable":



Dê um duplo clique na chave "browser.tabs.remote.force-enable", mudando de "false" para "true":



Se você deseja informações detalhadas sobre o assunto, leia-as aqui. Estão em inglês, mas nada que o google translator não resolva. Para os usuários do Ubuntu e derivadas, instruções aqui, também em inglês.

Sinceramente, não observei nenhuma mudança. O recurso de multiprocessamento depende de seu hardware. Então, não prometo que sua ativação fará milagres.

Até a próxima dica!
;-))

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Baixe o "Manual do Administrador Debian" na sua língua

Se você usa Debian ou distro derivada, não deixe de ler o "Manual do Administrador Debian" na sua língua. E para isso, não é preciso ser nenhum expert em linux. Basta ter um pouco de curiosidade para aprender como seu pinguim preferido funciona.

Para isso, basta ir no neste link e escolher o que serve a você, gratuitamente. Mas se puder colaborar financeiramente com qualquer quantia, o projeto Debian agradece.


Até a próxima dica!
;-))

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Saiu pacote atualizado do WPS Office para linux

Depois da chiadeira geral, quando a desenvolvedora do WPS Office disse que descontinuaria o desenvolvimento da suíte para linux, saíram pacotes deb, rpm e tar.gz atualizados, mas com o mesmo problema da libpng12-0.

Esta lib não está mais disponível nas versões recentes do Ubuntu, Debian e, consequentemente, derivadas. Não sei se o mesmo ocorre com os pacotes rpm e tar.gz.

De qualquer forma, siga minha dica para resolver esse problema. E a página para baixar os pacotes atualizados, você acessa aqui:


Até a próxima dica!
;-)

Ouvindo a rádio CCR Nova Dutra no linux

Na dica de hoje mostro como ouvir a rádio CCR Nova Dutra no linux. Podem haver outras formas, mas esta achei mais prática. Para isso, instale o "mpv" vídeo player segundo o procedimento padrão para sua distro, o que não será visto aqui.

Agora abra um terminal e digite o comando abaixo:

$ mpv mms://www.novadutra.com.br/generic/home/radioccr 

ou

$ mpv mms://www.novadutra.com.br/generic/home/radioccr & 

No primeiro caso, deixe a janela do terminal aberta para ouvir a rádio. No segundo, pode fechá-la após começara tocá-la. Para desligá-la, rode o comando abaixo no terminal:

$ killall mpv 

Até a próxima dica!
;-)

domingo, 18 de junho de 2017

Personalizando o banner de logout do LXDE

O LXDE tem o banner de logout que pode ser personalizado:

LXDE

LOGOUT MENU

Algumas distros fazem isso, como o Ubuntu:

UBUNTU

Para alterá-lo, crie uma imagem no formato *.png no tamanho de 325x125 px, o original do LXDE. Veja abaixo a do Debian 9:


Agora façamos a alteração. Abra um terminal e digite, na ordem:

$ su - [ENTER]
#
updatedb
#
locate logout-banner.png
/usr/share/lxde/images/logout-banner.png

# cd /usr/share/lxde/images/
# mv logout-banner.png logout-banner.png_old
# cd /home/seu_login
# mv logout-banner.png /usr/share/lxde/images/
# exit

Pronto, somente é isso é necessário. Basta sair do lxde para ver o resultado:



Até a próxima dica!
;-))

domingo, 11 de junho de 2017

Corrigindo ícone do radiotray minúsculo no KDE

Apesar de não ser mais desenvolvido, o radiotray é um aplicativo que não encontrou até hoje um substituto a altura, na minha opinião.

Desenvolvido para interfaces em GTK, funciona também nas baseadas em Qt. Não explicarei como instalá-lo ou configurá-lo. Procure tutoriais disponíveis na internet para fazê-lo.

No KDE com plasma 5, pode ocorrer do aplicativo iniciar com um ícone minúsculo, parecendo que o mesmo não está visível. Veja:


Para corrigir o problema, basta editar o arquivo config.xml, como mostro abaixo. Para isso, faça na ordem, como superusuário (root):

# ETP /usr/share/radiotray/config.xml 

onde ETP é o seu "editor de texto preferido". Basta fazer a troca abaixo:

ANTES
<config>
 <option name="volume_increment" value="0.05"/>
 <option name="volume_level" value="1.0"/>
 <option name="url_timeout" value="100"/>
 <option name="enable_application_indicator_support" value="true"/>
 <!-- valid options are 'appindicator', 'systray' and 'chooser' -->
 <option name="gui_engine" value="systray"/>
 <option name="active_plugins"><item>Notifications</item></option>
 <option name="buffer_size" value="164000"/>
</config>


DEPOIS
<config> 
 <option name="volume_increment" value="0.05"/> 
 <option name="volume_level" value="1.0"/> 
 <option name="url_timeout" value="100"/> 
 <option name="enable_application_indicator_support" value="true"/> 
 <!-- valid options are 'appindicator', 'systray' and 'chooser' --> 
 <option name="gui_engine" value="appindicator"/> 
 <option name="active_plugins"><item>Notifications</item></option> 
 <option name="buffer_size" value="164000"/> 
</config>

Salva a mudança e faça agora no terminal, como usuário comum:

$ rm -rf $HOME/.local/share/radiotray 

Basta agora reiniciar a interface gráfica, fazendo com a mudança acima valha para o desktop do usuário. Veja o resultado:


Até a próxima dica!
;-)

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Gtk-WARNING **: Não foi possível localizar a ferramenta de temas no module_path: "adwaita"

Se você viu a mensagem "Gtk-WARNING **: Não foi possível localizar a ferramenta de temas no module_path: "adwaita", at /usr/share/perl5/Debconf/FrontEnd/Gnome.pm line 96" no terminal, corrija-a instalando o pacote gnome-themes-standard.

Para  isso, use o procedimento padrão disponível para sua distro, o que não será visto aqui. Mas se você usa o Debian e Ubuntu faça da forma abaixo, no temrinal.

DEBIAN E DERIVADAS
$ su + senha de root + [enter] 
$ apt-get install gnome-themes-standard -module

UBUNTU E DERIVADAS
$ sudo apt-get install gnome-themes-standard 

Até a próxima dica!
;-))

domingo, 4 de junho de 2017

Instalando WPS Office no Ubuntu e derivadas (com correção de dependência)

O WPS tem obtido sucesso no desktop linux, principalmente por sua leveza, se comparado com o libreoffice. Tudo ia bem até bem pouco tempo, mas a empresa parou de desenvolver o projeto para linux devido aos "poucos usuários".

Só que a chiadeira foi geral e, surpreendida pelo clamor popular, a chinesa Kingsoft Corporation jurou de pés juntos - bem jurado e bem juntado - que manterá seu desenvolvimento ativo... O provável é que o mesmo seja comunitário.

Mas como resolver a atual dependência desta suíte, a libpng12, se o ubuntu tem novas versões a cada 6 meses? É o que mostrarei aqui. Em primeiro lugar, leia o excelente artigo do Edivaldo Brito, explicando como instalar o WPS.

Se você usa a versão estável 14.04 LTS, a libpng12 é nativa dos repositórios e a instalação proposta pelo Edivaldo não terá problemas, mas não testei no Trusty. Se você faz uso da 16.04 LTS, também não terá problemas com a mesma lib. Tudo certo até aqui.

O problema começa com as versões posteriores, sendo que atualmente a 16.10 e 17.04 não possuem mais a libpng12 em seus repositórios, já que a suíte linux do WPS tem um ano e já está "velha" para os nossos padrões.

O que fazer então? Muito simples: Abra um temrinal e crescente a linha abaixo no arquivo sources.list, que fica no diretório /etc/apt:

$ sudo nano /etc/apt/sources.list 

deb http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu/ xenial main

Salve o acréscimo com ctrl+O e saia com ctrl+X. Depois rode no mesmo terminal:

$ sudo apt-get update 
$
sudo apt-get install -f 

A última linha refere-se ao comando necessário na instalação do WPS, segundo o tutorial do Edivaldo. Volte lá e leia-o com atenção, se não o fez da primeira vez.

Como os pacotes da versão 16.04 são "mais antigos", não serão instalados no lugar dos do yakkety e zeisty. Nada mais resta a fazer, a não ser usar sua nova suíte de escritório.

Não se esqueça de que, até uma nova versão ser lançada - quando o for - eliminando esta dependência, ou a Xenial estiver valendo, podem aparecer outras dependências não satisfeitas, devido as atualizações de softwares semestrais do Ubuntu.

Neste caso, tem-se de resolvê-las caso-a-caso e não há como prever o que acontecerá. Mas enquanto isso não ocorre, bom  trabalho.

Até a próxima dica!
;-))


sábado, 3 de junho de 2017

Renomeando a Área de Trabalho e as pastas padronizadas no linux

Se você deseja trocar o nome da área de trabalho e de suas pastas, nesta dica mostrarei como se faz. É um pouco trabalhoso, mas foi o método que funcionou comigo.

Como a distro é padronizada para a língua inglesa, ocorre este problema chato. Não basta alterar o arquivo "~/.config/user-dirs.dirs", como acontece em outras distros, como Ubuntu e Debian.

Em primeiro lugar, instale os arquivos abaixo pelo terminal:

$ sudo apt-get install xdg-users-dirs xdg-users-dirs-gtk 

No mesmo terminal, edite o arquivo user-dirs.defaults como mostro abaixo:

$ sudo nano /etc/xdg/user-dirs.defaults 

E acrescente ou modifique as linhas abaixo:

DESKTOP="Área de Trabalho"
PICTURES="Minhas imagens"
VIDEOS="Meus vídeos"
MUSIC="Minhas músicas"
PUBLICSHARE=Dropbox
TEMPLATES="Meus documentos/Modelos"
DOWNLOAD="Meus downloads"
DOCUMENTS="Meus documentos"

Os nomes podem ser simples ou compostos, de sua escolha, ou uma dentro de outra, como em "TEMPLATES". Após esse passo, retorne ao terminal e rode os comandos abaixo:

$ xdg-user-dirs-gtk-update
$ xdg-user-dirs-update 

Agora é só reiniciar a interface gráfica e partir para o abraço. Obviamente você terá de renomeá-las manualmente, se osistema não o fizer automaticamente.

Até a próxima dica!
;-)